Notícias

No Conselho Tutelar de Nova Odessa, Ana Perugini propõe cuidar da prevenção

Diante dos números e condições de trabalho apresentados pelos conselheiros tutelares de Nova Odessa, em visita realizada nesta segunda (14), a deputada federal Ana Perugini sugeriu que os conselheiros ampliassem as ações na prevenção.

“Há cidades que melhoraram os índices de violência infantil, a partir do trabalho conjunto do Conselho Tutelar e Pastoral da Criança da Igreja Católica”, disse a deputada que, em São Paulo, coordena a Frente Parlamentar de Promoção e Defesa dos Direitos da Criança.

No encontro com conselheiros da cidade, o vereador Professor Antonio (PT) fez questão de agradecer a deputada pela indicação de emenda de um conjunto para Conselho Tutelar, composto por um veículo, computadores, impressora, bebedouro e geladeira, que chegou a Nova Odessa no ano passado.

“Eu que defendo uma maior proteção às crianças, por conta do meu trabalho como diretor de creche, agradeço a deputada pelos equipamentos enviados ao Conselho Tutelar. Com eles, a equipe terá maior agilidade e melhores condições de trabalho”, agradeceu o vereador, que defende ainda que crianças de 0 a 4 anos devam permanecer em creches pelo menos 12 horas por dia.

“Nosso sentimento é de que há um crescimento substancial dos índices de violência infantil, em Nova Odessa”, afirmou o conselheiro Osvaldo Padovan. Segundo ele, a violência é cíclica, passa de pai para filho. “O Conselho funciona desde 1998. Mantemos mais de 530 pastas com casos de abusos e violência infantil. Muitas delas são reabertas porque a violência aconteceu na mesma família, mas em uma segunda ou terceira geração”, lamentou Osvaldo.

As crianças e os adolescentes são os primeiros a sentirem os impactos da crise econômica prolongada, que produziu nos últimos dois anos 14 milhões de desempregados. Em Nova Odessa, o impacto se dá ainda pelo crescimento desordenado da cidade. “Há vários empreendimentos imobiliários que chegaram aqui, mas os equipamentos de proteção não acompanharam a demanda”, avaliou o vereador Professor Antonio.

No ano passado, a deputada destinou kits para reestruturação dos conselhos em 12 municípios – Avaí, Artur Nogueira, Caraguatatuba, Conchas, Cordeirópolis, Diadema, Hortolândia, Paulínia, Mairinque, Nova Odessa, Parapuã e Santa Bárbara d’Oeste.

Para 2018, outras nove cidades foram indicadas para receber o carro e os equipamentos: Aspásia, Bofete, Gastão Vidigal, Guarantã, Guariba, Itatiba, Paranapanema, Rinópolis e Vinhedo. Cada kit custa R$ 110 mil e é composto por um carro zero quilômetro, cinco computadores, impressora, geladeira e bebedouro.

O Conselho Tutelar é acionado em ocorrências de infrações envolvendo menores de 18 anos, nos casos em que o responsável está ausente e quando os agressores são da própria família. A função do conselho é tirar essa criança ou adolescente da situação de risco.

O horário de atendimento do Conselho Tutelar de Nova Odessa é das 8h às 12h e das 13h às 17h, de segunda a sexta-feira. A sede fica na Rua São Paulo, 55, Jardim São Jorge. O telefone de contato é o (19) 3466-5901. Aos finais de semana, o conselho disponibiliza um celular de plantão, mas que pode ser acionado apenas pelo Hospital Municipal, Polícia Civil, Polícia Militar e Guarda Municipal.

Projeto Afin – Afeto na Infância

Na opinião dos conselheiros de Nova Odessa, a relação com o Judiciário local é de caráter colaborativo e solidário. Em se tratando de prevenção, há um projeto de iniciativa da Juíza Michelli Changman instalado no prédio do fórum de Nova Odessa, que tem o objetivo de criar uma ponte entre o conhecimento científico e as famílias, por meio da exposição física de painéis que abordam vários temas, que vão desde o desejo de se ter filhos até os efeitos da falta de afeto na adolescência e fase adulta, oferecendo, assim, a pais e cuidadores, instrumentos de educação positiva, como forma de buscar a boa saúde emocional das crianças. O Projeto AFIN é uma obra social com foco na Primeira Infância (0 a 6 anos).

Notícia anterior

Deputada Ana Perugini propõe debates sobre luta por moradia em SP

Próxima notícia

Ana Perugini prepara novo questionamento sobre doenças negligenciadas