Artigos

DIRETAS JÁ! A FORÇA DO POVO NAS RUAS

A notícia de que o presidente Michel Temer teria avalizado a compra do silêncio do deputado cassado e ex-presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha, era a peça que faltava no quebra-cabeça do golpe que destituiu a presidenta Dilma Rousseff, rasgou a Constituição e colocou o nosso país em estado de recrudescimento da crise institucional. Assim caminhamos a passos largos para um estágio que pode colocar o povo brasileiro sob o signo do medo diante da pauta, que ameaça dar às práticas arbitrárias e autoritárias, o protagonismo do regime político-administrativo nacional.

Como a romper com uma premissa, exaustivamente repetida pelo ditado popular pelo qual há quem diga, em determinado momento da história, que um cenário não pode piorar. Infelizmente não é o nosso caso: a crise pode alcançar ares ainda mais dramáticos a julgar por algumas razões, em especial, a escancarada falta de respeito às necessidades do povo, uma marca do atual governo federal. Dificilmente progressos sociais e econômicos poderão ser alcançados nos próximos anos sem os investimentos em áreas prioritárias e essenciais da vida brasileira, de Norte a Sul, Leste a Oeste.

Se confirmadas as denúncias, Temer infringiu o artigo 85 da Constituição e cometeu crime de responsabilidade contra o livre exercício do Poder Judiciário e do Ministério Público. Deverá, nesse caso, ser investigado e julgado em um processo de impeachment. Entretanto, pela gravidade do quadro institucional, e pela deterioração da economia, que só faz avançar os índices de queda da qualidade de vida com prejuízos incalculáveis aos trabalhadores e trabalhadoras, para o bem do nosso país, nesse momento a renúncia seria o caminho menos danoso.

Há quem diga que o povo grego, no berço da civilização e da democracia, não tolerava estar submetido a um mandatário, estrangeiro ou não, que não fosse capaz de interpretar os anseios da nação, como também a intensidade do brilho dos olhos de quem ocupava as ruas e assembleias.

Essa é a essência do nosso povo: estar nas ruas, cabeça erguida, com o rosto iluminado pelos raios do sol, a pedir um governo que reúna legitimidade e sensibilidade para recolocar o Brasil no caminho das políticas públicas e inclusivas, que, a invocar o mais expressivo exemplo de cidadania, em uma única ação foi capaz de tirar o país do Mapa da Fome, das Nações Unidas, por mérito e determinação, de Estado, na gestão do presidente Lula. O povo, em nenhuma hipótese, pode ser criticado, temido e condenado. Ao contrário, deve ser visto como parceiro, bem cuidado e respeitado.

A notícia que nos é confirmada, desde o dia 5 de maio, pelo Relatório da Revisão Periódica Universal da Organização das Nações Unidas (ONU), revigora a força do povo como instrumento indispensável para os avanços de um governo democrático, como foi o Brasil estimulado com a ascensão de Lula, em 2003: dos 103 países que participaram da sabatina ao Brasil, 26 enfatizaram a importância da implementação do Plano Nacional de Educação (PNE), e outros 6 citaram a ampliação dos investimentos no ensino público na Administração Lula, bem ao contrário do que acontece no Governo Temer, que tem promovido sucessivos cortes em todas as áreas sociais, como saúde e educação, segurança e habitação,  para beneficiar o que é gerido pelo mundo privado.

É aí que mora o golpe. Não podemos entregar o país ao bel-prazer do mundo privado. Diante de um país abalado pela corrupção e instituições enfraquecidas, precisamos nos submeter à soberania das urnas, porque atualmente somos reféns de um pacto que foi derrotado nas urnas, cuja base é formada por congressistas ultraconservadores, e que ataca as famílias brasileiras que mais precisam das ações e de políticas públicas.

Uma maioria que, lado a lado com Temer, faz valer a gestão do Estado mínimo, que degrada a vida do homem simples do campo e da cidade, reduz o espaço da produção agrícola familiar e sepulta os sonhos e esperança dos mais humildes, sem direito à moradia e à alimentação, invariavelmente relegado à pobreza, e pela voracidade do atual governo, ainda cada vez mais distante da aposentadoria. É a hora do basta! É hora de repactuarmos o futuro do nosso país. E só conseguiremos fazer isso com a chancela do povo e o exercício da democracia.

Em 1983, em meio à ditadura militar, o movimento popular “Diretas Já” ganhou as ruas e se transformou num marco da reabertura política do Brasil. Agora, com o golpe escancarado e uma crise institucional sem precedentes, graças o plano do atual governo, baseado em reformas que sangram os trabalhadores e trabalhadoras para atender aos interesses de grandes empresas e conglomerados, além do capital internacional, temos a oportunidade de fazer parte da história. E é com a força do povo nas ruas que vamos fazer emergir um novo Brasil, que seja capaz de partilhar suas riquezas entre todos os brasileiros.

Ainda que o Brasil esteja vivendo um clima de gestos suspeitos, com a instabilidade e imparcialidade das autoridades representativas das mais importantes instituições, a nenhum de nós é dado o direito de desprezar os ensinamentos do Marquês de Maricá: “Somos muito francos em confessar e condenar nossos pequenos defeitos, contanto que possamos salvar e deixar passar, sem reparo, os mais graves e menos defensáveis”.

O que vale dizer como lição de casa, inadiável e urgente: precisamos ir às ruas, já, contra a corrupção, pela renúncia de Temer e pela convocação de novas eleições diretas. Um novo golpe, dentro do golpe, jamais: é a hora do povo, para um governo do povo, pelo povo, com Diretas Já!

Notícia anterior

Deputada federal Ana Perugini põe Amazônia Azul em debate na Câmara Federal

Próxima notícia

Deputada Ana Perugini participa de café da manhã com Movimento de Moradia