Notícias

Ana Perugini promove audiência para avaliar combate ao câncer de mama no país

A Câmara dos Deputados promove, no próximo dia 18, uma audiência pública para traçar um diagnóstico da estrutura do país para o combate ao câncer de mama. O evento, que faz parte das ações do Outubro Rosa, foi proposto pela deputada federal Ana Perugini e aprovado nesta quarta-feira (4), durante reunião da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, com apoio das deputadas Erika Kokay (PT/SF), Conceição Sampaio (PP/AM) e Dâmina Pereira (PSL/MG).

A audiência pública “Avanços no enfrentamento ao câncer de mama no Brasil: promoção à saúde, prevenção, detecção e disponibilidade de tratamento” será realizada em conjunto com Secretaria da Mulher e reunirá representantes do Ministério da Saúde, do Instituto Nacional de Câncer (Inca), da Federação das Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (Femama), da Defensoria Pública da União e do Coletivo de Mulher com Deficiência do Distrito Federal. Os nomes dos participantes ainda não foram confirmados.

O câncer de mama é o tipo mais comum entre as mulheres no mundo e o segundo com maior incidência no Brasil, atrás apenas no melanoma.

Além de aferir as condições do Sistema Único de Saúde (SUS) para o combate, a audiência vai enfatizar a importância da prevenção e do diagnóstico precoce, inclusive para os homens, que também podem ser acometidos pela doença.

“Quando diagnosticado nas fases iniciais, aumentam as chances de tratamento e cura tanto em mulheres quanto em homens, por isso é tão importante debater o câncer de mama no Brasil, com discussão sobre a promoção à saúde, a prevenção, a detecção e o tratamento da doença, principalmente considerando as mulheres com deficiência”, afirmou Ana Perugini, que é coordenadora-geral da Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos Humanos das Mulheres.

Ana também chama a atenção para a necessidade de a rede pública ser adaptada para o atendimento de pessoas com deficiência. “O exame é realizado com as mulheres em pé. No entanto, paraplégicas, tetraplégicas e anãs têm dificuldade para fazer o exame e, quando precisam fazer uma ecografia mamária, precisam se deslocar da cadeira de rodas para a maca”, explicou a parlamentar, lembrando que há oito milhões de brasileiras com deficiência física, no país.

Notícia anterior

Projeto de Ana Perugini que garante direito de manter nome de casado recebe parecer favorável na Câmara

Próxima notícia

Ana Perugini promove audiência sobre câncer de mama nesta quarta, em Brasília